17 de abr de 2012

MARTE PRECISA DE MÃES – MARS NEEDS MOMS (2011)


Por Marcel Moreno


           As relações humanas e familiares ainda é um tesouro a ser descoberto e entendido. Longe de ser uma forma robótica de direcionar uma vida, as relações unem e aquecem o que há de mais precioso no ser humano: a capacidade de formar grupos que se relacionam entre si e se desenvolvem uns com os outros, porque ninguém está sozinho, nenhuma sociedade se desenvolve sozinha. E esse intercambio de informações e relações afetuosas começam no lar, onde as crianças aprendem a respeitar os pais e a ama-los como ser humano, como família, como grupo, como o próximo, como um todo.



Aventurando em um planeta desconhecido, Milo embarca para Marte com o intuito de salvar sua mãe de um futuro incerto. Nesta jornada acaba descobrindo muito mais do que novas pessoas, descobre a sí mesmo, o amor que sente pela mãe e o mais importante: até que ponto chega o amor de sua mãe por ele.

                O filme todo se baseia em símbolos que dão referência as relações humanas. Temos Milo que não dá valor ao amor da mãe, e mesmo porque não conhece e nem sabe de sua intensidade; Temos Gribble, um garoto nerd que vive sozinho em Marte por conta das consequências da sua vida, mas que simboliza os realmente nerds que são extremamente legais e inteligentes, e ao mesmo tempo carentes das relações humanas, sejam elas por timidez ou por sofrerem bullying; Temos Ki, que como o próprio som do nome diz, é a chave para as relações humanas. Curiosa como é, se interessa demais por outras culturas, e se envolve, e contagia, e dissemina, e valoriza tudo que foi perdido no seu planeta; E todos estes estão em um planeta que tem o relacionamento humano extinto, com segregação de sexo e seus filhos criados por máquinas, o que faz com que todos os valores humanos sejam perdidos.


Assim como a ilha onde foi encontrada a estátua de Venus, Milo recebe o nome da ilha em referência tanto a deusa quanto a própria ilha, pois foi la, nesta pequena ilha grega, que encontraram a estátua da deusa do amor e da beleza. Na busca de um bem que não sabia ser tão precioso, e que sentia falta apenas pela ausência do sentimento de segurança como toda criança, o garoto descobre dentro dele o amor pela mãe, assim como em algum lugar da ilha, em alguma expedição ao desconhecido, encontraram esta belíssima estátua. Amor como o maior tesouro do homem o fez reconhecer o papel daquela mulher em sua vida e traz a tona o valor das importantes relações dos pais, independente da forma, e desde que seja verdadeiro, com o filho. Infantil nas suas crenças e teimosos como toda criança, Milo percebeu até que ponto vai este amor e até que ponto uma mãe pode chegar para salvar um filho. O amor que ele renegou, neste planeta e algo mais do que precioso, é algo que foi perdido e não sabem como recupera-lo.


                Em suma as relações humanas vão se perdendo, as famílias vão perdendo seus valores e o homem já não é mais completo. As velhas crenças nos velhos modelos caem quando percebemos que o ser humano não é perfeito, nem mesmo os pais. E o mundo vai seguindo seu rumo sem conhecer o por quê do seu caminho e agora sem conhecer nem mesmo quem é. Deveríamos ter  aprendido com a natureza que vive em completa harmonia com suas plantas, arvores, ervas daninha e sua fauna. Se continuarmos desta forma, se já não sabíamos onde iremos chegar, agora não saberemos onde iremos acabar. Mas o velho movimento Hippie já nos dizia muita coisa: As flores vão salvar o mundo!

Título original: Mars Needs Moms
Título no Brasil: Marte Precisa de Mães
Ano de lançamento: 2011
País de origem: EUA
Diretor: Simon Wells



Um comentário: