18 de abr de 2012

INQUIETOS – RESTLESS (2011)

Por Marcel Moreno


                       Como encarar a vida? Alguns optam por serem negativos, outros encaram tudo de forma positiva; Alguns simplesmente a ignoram como se a vida não estivesse lá; E outros a encaram como tão curtas, que quando se dão conta, ela já pensou. E se com todas estas percepções algo trágico acontece? A forma como uma garota encara seus problemas é o diferencial deste filme, uma vez que dado como certo seu fim, a filosofia do por quê da vida se resume a felicidade.



                Annabel e Enoch se conheceram no cemitério. Mesmo sendo um lugar não muito comum para senso geral, eles visitavam velórios quase que por diversão. Eles tem em jeito diferente de encarar a vida, seja por conta de parentes perdidos, por doenças com difíceis curas ou peculiaridades de si mesmo.

                Durante o filme são tantos os momentos que parece que vai acabar a película e nos emociona, que quando o filme realmente acaba, parece não ter tanta emoção quanto teve os outros momentos. Essa sensação que temos durante os episódios e o final consumado, é o mesmo que a personagem tem durante sua vida. Sabendo que poderia morrer a qualquer momento e tendo várias recaídas próprias da doença, ela tem altos e baixos nos seus sentimentos que o diretor traz com muito talento para as percepções dos telespectadores.

                Analisando os Inquietos, vemos que a história se repete como em vários filmes, e um exemplo disso é DOCE NOVEMBRO (2000), filme que a atriz ao se deparar com o problema, resolve se afastar das pessoas que estão preocupadas com ela e não se permite amar. Ao contrário disto, em INQUIETOS, Annabel tanto se permite amar quanto encara a doença como algo inevitável e assim decide viver da melhor forma possível, sem pensar que sua enfermidade é o fator de deterioração da sua vida. O grande diferencial é como o próprio diretor trabalha as tristezas, chegando a nos emocionar algumas vezes, para no final ser algo comum e certo, como a morte o é para todos, certo em todos os casos e um final de ciclo.


Se a morte é certa para todos, somente por encara-la como algo novo, como algo que poderia ser evitado, como algo que pertence a todos menos a nós mesmos ou nossos entes queridos, ela causa uma dor capaz de destruir uma vida. As vezes é muito mais fácil aceitar o que é certo mesmo que não gostamos, do que tentar mentir para si mesmo criando amigos imaginários, mentiras internas ou monstros destruidores de vida. A forma como encaramos nossas vidas é como encaremos nosso final. Podemos tornar muito mais fácil e ser feliz ou podemos tornar tudo mais difícil e lamentarmos até o nosso fim tudo que deixamos de aproveitar no caminho.

Título original: Restless
Título no Brasil: Inquietos
Ano de lançamento: 2011
País de origem: EUA
Diretor: Gus Van Sant

Nenhum comentário:

Postar um comentário