9 de nov de 2011

I SAW THE SUN (GÜNESI GÖRDÜM)


Marcel Moreno


                A vida dos homens que vivem no oriente médio, não é, e pelo jeito, nunca será fácil. As guerras instauradas por grupos armados, com idéias legitimas ou não, contra o Estado faz com que muitos migrem para outros países, passem a viver como nômades ou simplesmente -  como se a morte de um homem pudesse ser simples – morrem sem nenhuma possibilidade de se defender. O Estado tem o monopólio legítimo da violência conforme as idéias de Hobbes para garantir a paz social, mas certos grupos terroristas não reconhecem este monopólio e estabelecem uma guerra entre estes poderes, com o intuito de desestabilizar o poder do Estado fazendo-o perder poder, até que eles consigam o direito de governar de acordo com as suas premissas. Desta forma a população fica sem saída e optam ou por servir ao exercito ou aos terroristas que se intitulam revolucionários.

                Tudo isso está contido dentro do filme Günesi gördüm (I Saw The Sun) de Mahsun Kirmizigül. A vida de uma família tomada pela dor de ter
que deixar sua terra por conta dos conflitos existentes na área para poderem garantir suas vidas, marca como uma ferida aberta a vida destas pessoas. E isso é mostrado de forma limpa, como se pudéssemos ver fatos de um país que está em determinadas áreas sempre em guerra. Em primeiro lugar há a existência de um pai apaixonado pelas filhas em uma sociedade onde somente os filhos homens são valorizados. O amor que este pai têm pelas filhas é um amor não muito comum neste tipo de sociedade, visto que elas não eram tratadas como mercadoria, uma vez que se espera que as filhas casem e recebam os dotes. Em outro ponto da família vemos dois pais que padecem por terem dois filhos brigados e pertencentes a lados opostos dos conflitos: Um é terrorista e o outro soldado. Vemos também uma mãe que vive uma vida miserável e sofre com o fato de o filho ter perdido a perna em uma mina enterrada. A homossexualidade é tratada no filme e mostra como um assunto tão delicado provoca revolta e ódio em uma sociedade estritamente religiosa e ignorante.

                Com belas imagens, o filme vai levando o telespectador a um mundo muito diferente do que conhecemos aqui na América. As fotografias são exuberantes na beleza e grandiosas na realidade, capazes de realizar um teletransporte para lugares como Istambul ou Noruega, ligando momentos, paisagens e sentimentos. Outro assunto importantíssimo é o tratamento dado aos que partem de sua terra natal para tentar uma vida digna em um outro país, e inclusive as disparidades existentes entre um pais Europeu e um país como a Turquia, com suas formas de tratar os cidadãos e a forma de vida.


                No caso do homossexualismo a aceitação por parte da família é difícil por contas dos mandamentos e doutrinas da religião islâmica, já que isso fere os preceitos e é uma vergonha aos olhos dos outros. As travestis eram tratadas como seres de um submundo, vivendo escondidas e sendo agredidas por cidadão que se dizem seguidores de Ala. Sem possibilidade de se manterem financeiramente, como em qualquer lugar do mundo, eram obrigadas a se prostituirem e sujeitas a qualquer tipo de violência. E era justamente com o dinheiro da sociedade que elas se mantinham, porque mercado havia. Em um dos casos de ódio o amor de irmãos fala mais alto e possibilita o arrependimento.

Toda à relação das vidas com um país em guerra é genialmente colocado pelo diretor, e vai trilhando a longa e difícil passagem dos personagens e suas superações. Muitas cenas são de emocionar e colocar o telespectador para pensar. Uma das cenas mais emocionantes do filme levanta a duvida: Será que algumas coisas são incompatíveis com outras? Será que para alguns viverem outros tem que morrer? Sempre assim? A guerra vale mais que a paz e alguns milhares de vidas? Eu acredito que não. 

Título Original: I Saw The Sun
Ano de lançamento: 2009
Diretor: Mahsun Kirmizigül


2 comentários:

  1. Menino, que crítica linda! UAU! E ainda vendeu o peixe com a voz mais melódica possível! Além de bem escrito, o texto aborda tudo o que há de bom na obra.

    Pelas nossas conversas, não fazia ideia que ele trabalhava a homossexualidade. Interessante, porque isso em países do Oriente é mais tabu que nos lados de cá.

    Não concordo apenas com á tua exposição lá no início do texto. Aliás, é apenas uma citação, você não chega a tomar partido, mas não vejo a violência como algo legítimo nem para o Estado nem para os terroristas.

    ResponderExcluir
  2. Luiz, quando me refiro ao uso legitimo da violência por parte do Estado, estou partindo do pressuposto das idéias do Contrato Social de Rousseau, o qual coloca que a partir de um pacto entre os homens o Estado agora seria responsável pela segurança e não mais cada um por si, e a saída do Estado de natureza para a criação de um Estado de Hobbes, onde o estado ganha poderes para coagir "transgressores da lei". Sendo assim, a palavra “monopólio legítimo da violência” pode parecer negativa, mas não se refere ao uso indiscriminado da violência contra todos, e sim a poderes que o Estado têm para a criação de uma força (PM, exército, etc) para garantir a segurança dos cidadão, excluindo assim a possibilidade de outros grupos formarem seus exércitos particulares, porque somente o Estado o poderia fazê-lo. Se existissem vários grupos armados disputando poder, como é o caso da Turquia e países do Oriente Médio, viveríamos em um completo caos e sem organização social. Diante do exposto, agora me diga o que é o caso dos grupos aramados (por exemplo na Favela do Alemão) existentes no Rio de Janeiro. Obrigado pelo comentário.

    ResponderExcluir